13/07/2016

A primeira Papinha – mamãe nunca esquece

Edit Feito para você por com 4 Visões

De repente, um belo dia chega alguém em sua casa, e.... tão pequenino no tamanho, mas tão grande ao ponto de mudar a vida e a rotina de toda família. Sim, é ele ou ela, a preciosidade mais nova, o presente, o fruto. E agora? 
De certeza absoluta, a primeira preocupação é, antes do agasalho, e do colo, como devo alimentar?



O mais comum, eu diria ainda o mais correto é que esse bebê receba o leite materno como seu primeiro alimento. A amamentação traz o alimento mais rico e ao mesmo tempo mais econômico que possa receber, além disso proporciona uma prolongação do vínculo com a mãe, o qual criou na gestação, desenvolvimento neuromotor com o movimento que faz para sugar o leite do peito, a garantia de anticorpos que só encontra na amamentação conferindo proteção imunológica por toda sua vida, entre inúmeros benefícios.
As vezes, é  preciso complementar com fórmula e tudo isso (amamentar, fazer mamadeira, saber a quantidade ideal, a temperatura ideal, o horário ideal) já é bem complicado de ajustar e se adaptar e daí, antes mesmo que você possa se sentir expert, chega a hora da primeira papinha!

A verdade é que, com a introdução alimentar, inicia-se uma nova fase na vida da mãe e do bebê, por mais que você já estivesse “craque” na arte de alimentar o seu filho com o seu leitinho (ou a fórmula), com as papinhas é tudo novo de novo! Escolher fruta, lavar casca, descascar, amassar, escolher um pratinho, uma colher ideal, babador, melhor lugar para comer… quanta complicação!
Mesmo com todo apoio do Pediatra, é importante lembrar que sua consulta contempla outros detalhes o que dificulta a retirada de todas as dúvidas. Será que está iniciando na idade apropriada? Será que é normal ele recusar a papinha? Será que eu higienizei o suficiente? Será que está bem amassado?
Quando?

Normalmente a melhor idade para iniciar a introdução alimentar, via de regra, é por volta de 4-6 meses de vida! Se o bebê é amamentado exclusivamente, normalmente os pediatras esperam até os 6 meses, se ele já recebe a complementação com fórmula, alguns indicam aos 4 meses, mas isso depende de cada caso, da particularidade da criança, da necessidade da mãe.

O que, como e quanto?

O ideal é que uma nutricionista possa auxiliar nessa orientação sobre o que oferecer para o bebê neste primeiro momento. A prática comum é iniciar com a papinha “doce” de fruta, para que o bebê aceite melhor a nova consistência, já que está habituado ao sabor adocicado do leite materno.
A consistência da papinha é a mesma da fruta, mas no caso da papa salgada, você pode deixá-la aquecida. Para as frutas e para a papa salgada, o ideal é que você teste um tipo de cada vez e aguarde pelo menos 4 dias antes de tentar algo novo assim, você poderá observar se o bebê apresentou alguma reação àquele ingrediente. As reações podem ser: diarréia, coceira, vermelhidão, irritabilidade…

O ideal é que você escolha um lugar para o bebê comer que será o lugar habitual, por exemplo, um cadeirão ao lado da mesa de jantar, ou no carrinho do lado da mesa e etc…

Se você habituá-lo a se alimentar sentado no sofá, ou no bouncer, ou enquanto brinca com alguma coisa, ele ficará condicionado a isso e futuramente, a hora de comer poderá se tornar uma “guerra”! Então, desde cedo, é legal mostrar ao bebê que, a hora de comer é uma hora especial, que requer a atenção dele e a sua e por isso, desligue a TV, o tablet e celular e concentre-se com ele.
Daí ele está aceitando a papinha, mas você não tem certeza se a quantidade que ele está comendo está suficiente. Bom, isso só quem pode dizer para você é o bebê!

Com as frutas, meia banana prata amassadinha comida inteira nas primeiras tentativas está mais que suficiente, se ele quiser apenas 2 ou 3 colheradas, está bom também! O mesmo vale para as papas salgadas, as quantidades são de 100g ou 4 colheres de sopa logo, muitas mini colheres de bebê.
Se ele comer tudinho, ótimo! Se ele comer só 3 ou 4 colheres, tudo bem também! Mantenha o foco de que, além da comidinha ele ainda vai tomar o leitinho e então, está tudo certo! Desconfie apenas se, nas consultas mensais seu bebê não estiver ganhando o peso adequado ou crescendo dentro do esperado, neste caso, você e seu pediatra deverão decidir qual o melhor caminho para garantir que o bebê se alimente e cresça saudável. E essa avaliação deverá ser feita por profissional da área. Cuidado com aparência, nem todo bebê aparentemente gordinho é saudável, assim o contrário também é importante. 

O essencial nesta fase de introdução alimentar é ter muita PACIÊNCIA, estar segura de que está tudo bem e de que todo mundo passa por isso. Se o seu bebê se recusa a experimentar qualquer coisa, se ele vomita, se chora ao engolir ou se você desconfia de alguma coisa, converse com o seu pediatra!
É normal a fase ser difícil, é normal o bebê não aceitar logo de primeira, é normal ele não comer tudinho, é normal ele querer colocar a mão em tudo, é normal ele se sujar e sujar você! Aproveite para tirar muitas fotos deste momento delicioso e que vai te encher de saudades!

Beijos e até a próxima.

Alcioneyaria Correia 
Nutricionista 
Mestre em Saúde Materno Infantil 
Pós-Graduada em Nutrição Clínica 



4 comentários:

  1. a papinha é sinal de aumento no orçamento, toda criança come, basta os adultos apresentarem a comida em condições! gostei do texto e fica a dica para as mamaes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos a sua participação em nossa Projeto! Divulgue para os seus amigos e familiares. Obrigada

      Excluir
  2. Alimentação infantil é bastante importante pena que há vários pais que ainda preferem tudo pronto e facilitado. Ser pai e mae requer paciencia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos a sua participação em nossa Projeto! Divulgue para os seus amigos e familiares. Obrigada

      Excluir